Presidente Trump é absolvido no processo de impeachment

Foto4 Donald Trump Presidente Trump é absolvido no processo de impeachment
Trump foi o 3º presidente a sofrer processo de impeachment na história dos EUA, mas o 1º a ser alvo durante um ano eleitoral

Os senadores votaram 48 a favor e 52 contra com relação ao abuso de poder e 47 a favor e 53 contra a acusação de obstrução

Na tarde de quarta-feira (5), o Senado absolveu o Presidente Donald Trump no processo de impeachment por abuso de poder e obstrução do Congresso nas negociações com a Ucrânia, marcando o fim da saga que durante vários meses dominou Washington-DC. Os senadores votaram 48 a favor e 52 contra com relação ao abuso de poder e 47 a favor e 53 contra a acusação de obstrução. O resultado final da votação ficou muito aquém da exigência de dois terços do Senado para condenar Trump e removê-lo do cargo.

Em um golpe aos esforços de Trump e do líder da maioria no Senado, Mitch McConnell (R-Ky.), para manter os republicanos unidos, o Senador Mitt Romney (R-Utah), candidato presidencial do partido em 2012, anunciou menos de 2 horas antes da votação que ele votaria a favor da condenação de Trump por abuso de poder. Entretanto, absolveria o Presidente no segundo artigo que envolve obstrução do Congresso.

“A grave questão que a Constituição incumbe aos senadores de responder é se o presidente cometeu um ato tão extremo e flagrante que alcance o nível de crime e contravenção. Sim ele fez. O presidente é culpado de abuso terrível da confiança pública”, disse Romney durante um discurso no plenário do Senado.

Refutando meses das previsões do Partido Republicano, nenhum senador democrata votou a favor da absolvição de Trump. Os senadores Doug Jones (D-Ala.), Joe Manchin (D-W.Va.) e Krysten Sinema (D-Ariz.), todos vistos como possíveis votos de mudança, anunciaram na quarta-feira (5) que votariam a favor da condenação.

Trump foi o 3º presidente a sofrer processo de impeachment na história dos EUA, mas o 1º a ser alvo durante um ano eleitoral. A disputa também marcou a 1ª vez que ocorreu quando as câmaras do Congresso não eram controladas pelo mesmo partido. A votação foi caracterizada como a mais sectária e acrimoniosa dos três impeachments presidenciais.

Quando os artigos foram aprovados na Câmara em dezembro, dois democratas, os deputados federais Collin Peterson (Minnesota) e Jefferson Van Drew (NJ) votaram contra, enquanto o deputado Tulsi Gabbard (Havaí) votou presente. Nenhum republicano da Câmara dos Deputados votou a favor do impeachment de Trump, e Van Drew anunciou que estava se juntando ao Partido Republicano (GOP).

Os votos encerram o julgamento de impeachment, após a semana, em que a equipe jurídica de Trump e os líderes da Câmara passaram horas apresentando seus casos aos senadores, assim como ao público americano. Com o resultado do julgamento já esperado, os republicanos têm uma maioria de 53 assentos e os democratas precisavam de 67 votos para condená-lo. Os argumentos apresentados realmente pretendiam influenciar alguns senadores indecisos em ambos os partidos e para o benefício dos eleitores antes das eleições presidenciais de novembro.

McConnell declarou imediatamente a vitória após o encerramento das votações, chamando o impeachment de “um colossal erro político” para os democratas.

“O presidente tem o maior índice de aprovação desde que está no cargo. Todos os nossos membros que estão em disputas difíceis, hoje, estão em melhor forma do que antes do início do julgamento de impeachment”, disse McConnell a repórteres durante entrevista coletiva.

Questionado sobre a votação de Romney, o líder do Partido Republicano admitiu que estava “surpreso e decepcionado”, mas observou que Romney havia apoiado a maior parte da agenda do partido.

O primeiro artigo de impeachment acusou Trump de “usar os poderes de seu alto cargo” para solicitar “a interferência de um governo estrangeiro nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2020”.

“Ele o fez através de um esquema ou curso de conduta que incluía solicitar ao governo da Ucrânia que anunciasse publicamente investigações que beneficiariam sua reeleição, prejudicariam as perspectivas de eleição de um oponente político” e influenciariam a eleição, afirma o artigo.

Os advogados da Casa Branca responderam repetidamente durante o julgamento que Trump atrasou a ajuda da Ucrânia por preocupações com corrupção e compartilhamento de ônus com outros países.O advogado de Trump Jay Sekulow declarou rapidamente a vitória na quarta-feira (5) e ignorou as perguntas sobre Romney.

“Estamos muito satisfeitos com o resultado. Estou feliz por isso estar atrás de nós. Estou feliz por isso estar atrás do país”, disse Sekulow.

Pressionado por Romney, ele acrescentou: “O presidente foi absolvido de todas as acusações. Não estamos preocupados com nada. Não tenho reação a isso. Minha reação é que o presidente venceu”.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend