Pais questionam segurança na reabertura de jardins de infância em NJ

Jardim de infância Pais questionam segurança na reabertura de jardins de infância em NJ
Embora o Governador Phil Murphy tenha anunciado que as creches reabram em 15 de junho em todo o estado, alguns pais se sentem desconfortáveis

Os germes são comuns em creches, com crianças colocando brinquedos sujos na boca e brincando juntos em grupos

Creches de New Jersey estão reabrindo, entretanto, os pais se perguntam se é seguro enviar crianças de volta às escolas. Embora o Governador Phil Murphy tenha anunciado que as creches reabram em 15 de junho em todo o estado, alguns pais se sentem desconfortáveis em enviar seus filhos para as instalações. Os germes são comuns em creches, com crianças colocando brinquedos sujos na boca e brincando juntos em grupos.

O Departamento Estadual de Crianças & Famílias tem uma lista de novos requisitos para as creches de New Jersey, incluindo não permitir que ninguém com sintomas ou febre de mais de 38º graus entre na instalação e limitar as turmas a 10 crianças com funcionários que não se deslocam entre grupos. Os trabalhadores devem usar coberturas faciais e crianças acima de 2 anos de idade serão “incentivadas” a usá-las, “sempre que possível”.

Os jardins de infância também devem ser limpos e higienizados diariamente. O Estado publicou online uma lista de autoavaliação para as escolas. Na Lightbridge Academy, uma rede de creches com quase 40 filiais em New Jersey, cerca de 60% das 7 mil famílias matriculadas antes da pandemia estão retornando este mês, informou Kayla Bodel, porta-voz da instituição.

A Lightbridge Academy, em Westfield (NJ), está realizando limpeza adicional, minimizando a mistura de grupos de crianças ou funcionários e limitando os visitantes, disse a proprietária Sue Romano. A instalação também possui um novo sistema de filtragem de ar que mata continuamente patógenos no ar, detalhou ela. A tecnologia usa lâmpadas ultravioletas, peróxido de hidrogênio ionizado e um filtro HEPA.

“Qualquer pessoa responsável pelo bem-estar das crianças deve levar isso a sério. No entanto, sinto-me confiante de que, com o apoio de nossas famílias e com os procedimentos que implementamos, poderemos operar com segurança”, afirmou Romano.

Ainda assim, o Dr. Lawrence Kleinman, da Universidade Rutgers, tem preocupações com a reabertura das creches. Desde março, apenas os filhos de trabalhadores essenciais têm permissão para frequentar creches. Ele disse que o Estado se beneficiaria em testar periodicamente as crianças e suas famílias para ver quais eram positivas para o vírus e como ele se espalhava entre parentes. Essa prática teria criado dados que os funcionários poderiam usar ao planejar a reabertura.

“Você veria quem está sendo infectado e não sabe. Sem realizá-lo ativamente de maneira sistemática, você não terá dados interpretáveis. Você terá histórias e lendas”, disse Kleinman, diretor da Divisão de Ciências da Saúde, Qualidade e Implementação da População no Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina Rutgers Robert Wood Johnson.

Embora seja menos provável que as crianças fiquem gravemente doentes com o coronavírus, elas podem carregá-lo e disseminá-lo nas casas, disse Kleinman. Algumas desenvolveram uma síndrome inflamatória rara, com múltiplos sintomas, que pode ser mortal. Em New Jersey, 32 crianças foram infectadas pela doença, que parece ser uma resposta “agressiva” do sistema imunológico ao coronavírus, disse o Departamento de Saúde do Estado.

Com interação física intensa em creches, ele disse que os pais devem ter cuidado ao enviar seus filhos de volta. Os bebês precisam trocar as fraldas, as crianças cospem e colocam objetos na boca e convencer um menor a usar uma máscara por 8 horas seguidas pode ser um desafio, dependendo do temperamento.

Ele recomenda que as creches limitem os grupos a 4 crianças e 1 adulto. Os requisitos do Estado para tamanhos de grupos permitem o dobro disso, embora as creches possam ser mais rigorosas.

“Dez ainda é um grupo considerável. É melhor que 12 ou 15, mas não é insignificante”, disse Kleinman.

O Estado exige que os trabalhadores usem luvas descartáveis e lavem as mãos entre cada troca de fralda, mas Kleinman disse que os trabalhadores também devem usar aventais para proteção extra. Ele disse que o vírus pode ser transmitido por fezes.

No geral, disse Kleinman, as pessoas devem considerar sua situação pessoal antes de decidir enviar seu filho à creche, incluindo se a criança interage com alguém em casa que é imunocomprometido, se os pais precisam voltar ao trabalho e, portanto, não conseguem cuidar dos filhos.

A idade e o temperamento da criança também podem desempenhar um papel fundamental, ele disse. As crianças mais velhas são mais móveis e costumam ser independentes, disse ele, dificultando a proibição de abraçar, tocar os outros e remover a máscara.

“Você tem pessoas desempregadas, sem dinheiro, que estão tentando proporcionar ambientes seguros em casa e precisam de ajuda”, disse Kleinman. “Eu não vejo isso isoladamente com uma noção rígida de que não devemos abrir as creches. O que Estou dizendo que faria com muito cuidado”, concluiu.

 

Related posts

Send this to a friend