Coronavírus: Estudantes e turistas brasileiros têm que estender estadia nos EUA

Covid 19 Coronavírus: Estudantes e turistas brasileiros têm que estender estadia nos EUA
Em decorrência da pandemia, os vôos internacionais foram cancelados e fronteiras dos EUA fechadas

A pandemia forçou brasileiros a estender a permanência no país em decorrência do impacto econômico e fechamento de fronteiras provocados pelo vírus fatal 

Na noite de quinta-feira (2), o número de fatalidades em virtude do surto de coronavírus atingiu 4 mil nos EUA, informaram as autoridades federais de saúde. Atualmente, o país supera a China em mais de 700 mortes causadas pelo vírus. A Casa Branca adiantou que projeta entre 100 mil a 240 mil mortes pelo vírus e milhões pessoas infectadas no país.

Em decorrência da pandemia, os vôos internacionais foram cancelados e fronteiras dos EUA fechadas. Essa decisão emergencial fez com que inúmeros estudantes e turistas fiquem impedidos de voltar ao Brasil na data agendada. Em decorrência disso, muitos deles estão sendo obrigados a permanecer nos EUA, consequentemente, causando mais preocupação com a falta de dinheiro para gastos extras e o vencimento dos vistos de turista e estudante.
Em 25 de outubro de 2019, o website do Departamento de Serviços de Imigração & Cidadania (USCIS) atualizou as medidas para situações especiais nas quais estrangeiros poderiam pleitear alguns benefícios indisponíveis em situações cotidianas.

“Essa medida só se aplica para estudantes com visto F1. Turistas podem dar entrada na extensão do seu visto de permanência”, informa a postagem; indicando que todos acessem o link: www.uscis.gov/humanitarian/special-situations para referência.

Para que os estudantes portadores do visto F-1 possam solicitar a permissão de trabalho em período de emergência, eles devem provar que: Estejam sofrendo impacto financeiro severo desde que:  Esteja com status F-1 por pelo menos 1 ano escolar completo, em situação regular, demonstrem que a aceitação de emprego não afetará sua capacidade de continuar comparecendo às aulas. Além disso, os estudantes terão que demonstrar que o emprego será necessário para evitar o impacto financeiro devido à situações que estão fora do controle e que o trabalho on-campus não está disponível ou que não seja suficiente para manter os custos do estudante ou sua família devido essa situação que não pode ser controlada por ele.

Antes mesmo de enviar a aplicação, a escola terá que emitir o formulário I-20 com autorização do trabalho fora do campus que tenha os comentários do Designated School Official (DSO) para quem estuda em uma escola aprovada pelo programa SEVIS, supervisionado pelo Departamento de Imigração (ICE).

. Indocumentados e “fardo público”:

Os estrangeiros que, por ventura, planejarem regularizar o status migratório nos EUA devem prestar atenção ao fato de que as autoridades dos EUA estão reforçando a regra do “public charge” (fardo público) mais rigorosamente e, então, avaliarão vários fatores em todos os imigrantes que solicitam a residência legal permanente (green card), inclusive ajuda financeira do governo, além da possibilidade de esse estrangeiro se tornar um “fardo financeiro” para o governo. Entretanto, ainda não existe nenhuma determinação oficial com relação ao estímulo financeiro que será liberado pelo Governo Federal e os indocumentados. Atualmente, algumas iniciativas de ajuda aos indocumentados estão ocorrendo a níveis estaduais e municipais.

 

Related posts

Comentários

Send this to a friend